sábado, 3 de janeiro de 2015

QUEM REGERÁ EM 2015?



Esse ano será regido pelas energias de Ogum e Iemanjá
Segundo Vovó Antonieta da Bahia, será um ano de muitas guerras no mundo... Os homens ainda não aprenderam a se amar e respeitar suas diferenças. Nem entenderam que Deus não busca a guerra, mas sim o amor universal!
O Senhor Ogum vem proteger o mundo de tantas batalhas! Dar firmeza em nosso caminhar e abrir os caminhas para a vitória daqueles que buscam o bem!
A Senhora Iemanjá, chega lavando toda a bagunça que a guerra traz e esfriando os corações daqueles que guerreiam, para que possam pesar suas atitudes e tomar novos rumos...
Ainda, cercando essa regência, os guardiões estarão muito presentes ao redor de toda Terra, auxiliando o trabalho espiritual intenso devido às guerras e batalhas!
Nesse ano, busquemos levar a paz a todos os cantos do mundo! Falemos coisas boas uns para os outros, nos elogiemos com frequencia! Façamos de cada minuto que nos for dado, uma oportunidade para promover o amor e incentivar a paz!
Fiquem com Deus e que a missão se cumpra!
UM ABRAÇO FRATERNO, FAMÍLIA CEENC!

domingo, 28 de dezembro de 2014

ANO BISSEXTO - ESPECIAL DE NATAL


Ao chegar, cada novo ano se reveste de promessas. É como o alvorecer de um novo dia, cheio de sol, após a noite escura.
Embora o tempo, qual o concebemos, não passe de ilusão, o Ano Novo é sempre esperança.
Por isso mesmo ele é representado pela figura de um bebê, onde tudo é promessa.
O ano de dois mil e doze tem uma característica muito especial. É bissexto.
Para muitas pessoas isso significa que algumas coisas não devem ser feitas neste ano. Há os que acreditam que não se deve casar. Outros afirmam que é um ano problemático e já começam a mentalizar dificuldades. As piores.
Uns relacionam suas crises financeiras a anos bissextos. Ou desilusões amorosas. Ou perdas afetivas trágicas.
A verdade é que muita gente acredita que o ano é impróprio para comprar casa ou iniciar a construção de grandes obras.
Possivelmente porque ignoram a verdade histórica e assim atribuem propriedades mágicas ao ano bissexto.
O ano bissexto foi criado em 1582, a pedido do Papa Gregório XIII, pelo alemão Cristhopher Flavius.
É que, a cada trezentos e sessenta e cinco dias e seis horas, a Terra dá uma volta completa em torno do sol. Mas o ano é contado como sendo de trezentos e sessenta e cinco dias. Deixam-se as seis horas para serem contadas de quatro em quatro anos. Por essa razão é que o quarto ano sempre tem um dia a mais, desde 1583.
O ano de 1582 teve dez dias a menos, para descontar o erro que vinha se acumulando pelo calendário juliano, antes utilizado.
Calendas, do latim calare (proclamar) era a designação do primeiro dia de qualquer mês do ano civil romano. O mês começava dois dias após a lua nova, quando se proclamava a obrigação do pagamento de certos tributos.
Com o calendário gregoriano se aboliu a designação calendas para o primeiro dia do mês e se passou a usar o número um para ele e os seguintes para aqueles que o sucediam.
O dia extra do quarto ano foi inicialmente colocado no sexto dia antes das calendas de março.
Em latim: bis sexto ante calendas marti, ou seja no dia vinte e três de fevereiro. Mais tarde se convencionou colocá-lo após vinte e oito de fevereiro, o último dia do mês, contudo, a tradição se manteve e o ano continuou a se chamar bissexto.
Como se vê, a explicação é simples e racional. Nada de extraordinário, portanto, no ano bissexto, a não ser a recriação das possibilidades de progredir que Deus oferece.
O importante na vida do Espírito são as etapas vencidas, o saber adquirido através da experiência e as virtudes conquistadas pela dor e pelo amor.
O futuro é sempre a esperança que nutrimos de alcançar um estado melhor. E a realidade é o presente eterno.
É assim que devemos encarar o tempo e, particularmente, o Ano Novo.
Façamos o propósito de alcançar no seu transcurso a maior soma possível de aperfeiçoamento.
*   *   *
Muitos povos continuam a observar o calendário juliano para efeitos religiosos. Por exemplo, os ucranianos. É por este motivo que eles comemoram o Natal no dia sete de janeiro.
O dia sete de janeiro coincide também com o dia do Santo Korchma (deus do sol), uma tradição pagã cristianizada pelos ucranianos.
*   *   *
O tempo é a tua oportunidade de realização. Aproveita-o com empenho.

Redação do Momento Espírita

sábado, 27 de dezembro de 2014

MAIS UM ANO - ESPECIAL DE NATAL


As alvoradas do novo ano se anunciam.
Passou o Natal e agora se aguarda a festividade da virada do ano.
Um ano se vai. Outro inicia.
É tempo de reflexão.
Que fizemos durante esses 365 dias que se esgotaram no calendário terrestre?
Trabalhamos muito? Mas nosso trabalho teve como objetivo somente ganhar dinheiro ou promovemos algo de verdadeiramente bom para alguém, para a comunidade?
Trabalhamos até à exaustão, sem tempo para a família, os amigos, o lazer refazente?
Contribuímos para alfabetizar uma criança, um jovem, um adulto?
Aderimos a campanhas de promoção da vida e da dignidade humana? Fizemos a diferença no mundo?
O que fizemos, afinal?
O que foi diferente para nós, no ano que passou?
Simplesmente reprisamos os feitos dos meses anteriores ou as promessas escritas na mente e no coração foram colocadas em prática?
Será que a esperança com que aguardamos o novo ano será de tão pouca duração quanto foi a do ano que morre?
Pensemos um pouco e valorizemos mais o nosso tempo.
Somos passageiros em um mundo de formas que todo dia sofre mudanças e nos pede mudanças.
Mudanças de comportamento, aprendizados de técnicas, readequação a cargos, funções.
E, intimamente, como estamos? Quanto crescemos?
*   *   *
É tempo de renovação. Não deixemos que o ano novo seja simplesmente um evento assinalado no calendário, uma convenção humana para demarcar o tempo.
Pensemos que o tempo é tesouro em nossas mãos e nos compete utilizá-lo com sabedoria.
Assim, ante a expectativa dos 365 dias que se espreguiçam na aurora dos meses à frente, façamos propósitos de viver melhor, de crescer em intelecto e moral.
Na planilha de nossa mente estabeleçamos diretrizes para esses dias sorridentes que nos aguardam.
Momentos para estar com os amores. Momentos para abraçar, sorrir, brincar.
Horas de estudo, aprendizado, crescimento intelectual. Um novo curso, uma especialização, um mestrado, um doutorado.
Ou apenas aprender a ler, dominando as letras.
Momentos para leitura de livros que chegarão ao mercado livreiro, interessantes e oportunos. Momentos para releitura de obras antigas, que nos merecem o folhear de suas páginas, uma vez mais.
Ilustração da mente. Reflorescimento de ideias.
Renovação de atitudes. Menos preguiça, mais ação. Utilizar melhor a tecnologia para conservar amigos e reconstruir pontes afetivas.
Ano novo! Quantas promessas.
Absorvamos as alegrias que nos motivam a comemorar a chegada do novo ano e as mantenhamos conosco nos dias a viver.
Abriguemos a esperança que se exterioriza em todos os sorrisos e a tenhamos conosco, durante os meses vindouros.
Projetemos um ideal de vida e o persigamos para que, quando o novo ano se for, gasto, vivido, possamos olhar para trás e, sem remorso, afirmar:
Foi um bom ano! Cresci muito: amei, trabalhei, estudei, vivi!
Pensemos nisso!
Redação do Momento Espírita

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

NOVO ANO - ESPECIAL DE NATAL


Depois do Natal, a grande expectativa. As pessoas se preparam para o Ano Novo.
Segundo Einstein, espaço e tempo são modos pelos quais o homem pensa o mundo, e não condições sob as quais ele vive.
Para ele, o tempo, como é conhecido, não passa de uma invenção.
Nesse sentido, formas e fórmulas para contar o tempo são também invenções humanas, que variaram segundo locais e épocas.
Egípcios e astecas criaram seus calendários, baseando-se no movimento do sol, da lua, nas estações do ano, na alternância entre os dias e as noites.
Nosso calendário é, essencialmente, uma invenção dos antigos romanos. A criação de um calendário com doze meses, cuja duração variava entre vinte e nove e trinta e um dias, data do tempo do segundo imperador romano, Numa Pompílio.
Somente no Século XVI, contudo, entraria em vigor o calendário gregoriano, fruto de uma comissão de estudiosos.
Passando a vigorar inicialmente somente nos países católicos, a partir de quinze de outubro de 1582, hoje é convencionalmente adotado para demarcar o ano civil, no mundo inteiro.
Assim, quando se aproximam os derradeiros dias de um ano, os homens se preparam para um novo.
São propostas de vida que se fazem, atitudes que se tomam, em nome de algo novo que virá.
É sempre coroado de esperança. E as manifestações, em prol e em nome dessa mensagem, são as mais diversas.
Dentre essas, lembramos da canção Satchita, ou Sat-chit, que faz parte do projeto Playing for change, um movimento de multimídia que envolve músicos e bailarinos de várias partes do mundo.
Os artistas podem ser famosos ou anônimos. O objetivo é inspirar e promover a união, a paz, a fraternidade e a igualdade pelo mundo afora, através da música.
Convidando a todos cantarmos juntos, observando essa imensa riqueza que é o nosso mundo com sua diversidade de culturas, cenários, instrumentos, nos estimula a um movimento pela paz.
A música se assemelha a um mantra hindu. Também uma prece de quem crê em Deus e tem a consciência plena de que todos vivemos nas vibrações do Seu amor.
Os versos podem ser traduzidos mais ou menos assim: Peça a Deus que os homens encontrem os seus passos perdidos.
E que os sonhos despertem esses olhos dormidos. Que o amor transborde e que vamos em paz.
Que os dias terminem com os braços cansados.
Que a dor não me assombre, nem me cause desespero. Peça a Deus.
Peça a Deus que nos mande do céu muita sabedoria,um amor verdadeiro.
Que ninguém passe fome.
Um abraço de irmão e que vivamos em paz.
Que terminem as guerras e também a pobreza.
Encontrar alegrias entre tanta tristeza.
Que a luz ilumine as almas perdidas e um futuro melhor.
*   *   *
Unamo-nos à canção, impregnando-nos da sua mensagem e recebamos o novo ano cantando, vibrando positivamente.

Todos unidos, dispostos a prosseguir trabalhando pelo mundo melhor de países sem fronteiras e uma imensa fraternidade.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

A LÂMPADA QUEIMADA - ESPECIAL DE NATAL


Era véspera de Natal. Em todas as casas havia intensa alegria. Nas ruas, era grande o movimento. Pessoas transitavam com pacotes, entrando e saindo de lojas cheias de compradores e vendedores ansiosos.
O homem e a mulher se aproximaram de um restaurante. A mulher trazia nos olhos o brilho dos que sabem compartilhar alegrias e se sentem felizes com pequenas coisas. Sorria.
O homem se apresentava carrancudo. O rosto marcado por rugas de preocupação. No coração, um tanto de revolta.
Sentaram-se à mesa e, enquanto ela olhava o menu, procurando algo simples e gostoso para o lanche, ele começou a reclamar.
Reclamou de como as coisas não estavam dando certo. Ele tinha investido em um determinado produto em sua loja, contando que as vendas fossem excelentes. Mas não foram.
O produto não era tão atraente assim. Ou talvez fosse o preço. Enfim, o comerciante reclamava e reclamava.
De repente, ele parou de falar. Observou que sua esposa parecia não estar ouvindo o que ele dizia. Em verdade, ela estava mesmo era em outra esfera.
Olhava fixamente para uma árvore de Natal que enfeitava o balcão do pequeno restaurante. Sim, ela não estava interessada na sua conversa.
Ele também olhou na direção do olhar dela e meio de forma mecânica, comentou:
A árvore está bem enfeitada, mas tem uma lâmpada queimada no meio das luzes.
É verdade, respondeu a mulher. Há uma lâmpada queimada. E  você conseguiu vê-la porque está pessimista, meu amor. Não conseguiu perceber a beleza das dezenas de outras luzes coloridas que acendem e apagam, lançando reflexos no ambiente.
Assim também com a nossa vida. Você está reclamando da venda do produto que não deu certo e se mostra triste. Mas está esquecido das dezenas de bênçãos que brilharam durante todo o ano para nós. Você está fixando seu olhar na única lâmpada que não iluminou nada.
*   *   *
Não há dúvida de que acharemos, no balanço das nossas vidas, diversas ocorrências nas quais nos poderemos dizer muito infelizes. Podemos chegar a sentir como se o Mundo ruísse sob os nossos pés.
Porém, a maior tristeza que pode se abater sobre a criatura, multiplicando desditas para o Espírito, é o mau aproveitamento das oportunidades que lhe concede o Criador, para evoluir e brilhar.
Meditemos sobre isso e descubramos as centenas de lâmpadas que brilham em nossos caminhos.
*   *   *
Ao lado das dores e problemas que nos atingem as vidas, numerosas são as bênçãos que nos oferece a Divindade.
Apliquemo-nos no dom de ver e ouvir o que é bom, belo e positivo.
Contemplemos a noite que se estende sobre a Terra e sem nos determos no seu manto escuro, descubramos no brilho das estrelas, as milhares de lâmpadas que Deus posicionou no espaço para encher de luz os nossos olhos.
Acostumemo-nos a observar e a ver o bem em toda a parte a fim de que a felicidade nos alcance e possamos sentir a presença do Criador, que é amor na sua expressão mais alta, alevantando-nos as vidas.
 Redação do Momento Espírita

AMANHECEU O DIA - ESPECIAL DE NATAL


O dia apenas amanhecera...
Mas aquele não era um dia comum. Era o primeiro dia de uma nova era que se iniciava para a Humanidade inteira...
A partir daquele acontecimento, o Mundo jamais seria o mesmo. Um acontecimento que constituiria um novo marco na História...
Amanheceu o dia... E as luzes daquele amanhecer se espalharam lentamente sobre Israel para, logo mais, pairar soberanas por sobre toda a Terra...
As almas se aquietaram ante a mensagem silenciosa que envolvia o Oriente...
Os sofredores sentiram que um novo alento chegava para balsamizar seus corações em brasa...
Os cegos vislumbraram uma chama que despontava além da escuridão... E os pobres desprezados ouviram, naquele amanhecer, uma canção de esperança a ecoar por todos os rincões da Terra...
O dia apenas amanhecera... E os equivocados, que se julgavam donos absolutos do poder, sentiram suas bases tremerem diante Daquele que viera investido de todos os poderes e glórias, em nome do Pai...
Os hipócritas se confundiram, e os ricos de alma pobre perceberam a fragilidade de suas posses temporárias...
Em Belém... Ele chega silencioso, puro, soberano, e fica...
Ele reúne os aflitos e os agasalha junto ao próprio peito...
Nada solicita, não exige coisa alguma... Apenas ampara.
Libertador por excelência, canta o hino da verdadeira liberdade, ensinando a destruir os grilhões da inferioridade que prende o homem às mais cruéis cadeias...
Sol de primeira grandeza, espanca com a Sua claridade as sombras dos milênios...
A suavidade da Sua voz mansa acorda as esperanças adormecidas e faz que se levantem os ideais esquecidos...
Ao forte clamor do Seu verbo erguem-se os dias, e as horas do futuro vibram, aprofundando na alma do Mundo os alicerces da Humanidade feliz do porvir...
Jesus, Rei Celeste, aceita como berço a manjedoura de uma estrebaria singela, deixando para a Humanidade a profunda lição da humildade, inaugurando um reinado diferente entre as criaturas.
Senhor do Mundo, deixa-Se confundir com a multidão esfarrapada, espalhando Seu suave perfume entre os sofredores.
Troca as glórias dos céus pelas tardes quentes de Jericó...
Deixa a companhia dos Espíritos puros para caminhar entre os miseráveis de toda sorte...
Aceita o pó das estradas e enfrenta fome e frio para acalentar os infelizes sem esperanças que se arrastavam sobre a Terra.
Abandona os esplendores da Via Láctea para pregar a Boa Nova nas madrugadas mornas de Cafarnaum...
Deixa as melodias celestes para cantar a esperança embalada pela orquestra espontânea da natureza, no cenário das primaveras e verões, entre as aldeias e o lago.
É traído, desprezado e pregado numa cruz...
Mas ressurge numa tranqüila e luminosa manhã para dizer que a Vida não cessa e reafirmar que estaria conosco para todo o sempre...
*   *   *
O dia apenas amanhece...
É Natal...
Que as luzes desse amanhecer se espalhem lentamente sobre seu coração, sobre o seu lar, sobre a Terra inteira...
E que o suave perfume do aniversariante penetre em sua intimidade, discreto, silencioso e aí permaneça para sempre, para que você possa sentir um Feliz Natal.

Redação do Momento Espírita

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

ORAÇÃO DE TODOS NÓS - ESPECIAL DE NATAL

Oração de Natal escrita pelos irmãos do CEENC! Aproveitem a oportunidade para lê-la com seus amigos e familiares na noite do Natal!

Deus, dai-nos o entendimento sobre o verdadeiro sentido do Natal.
Com o nascimento de Teu filho, o Senhor nos deu a compreensão sobre a luz. Trouxe aos nossos corações o real sentido do amor e da caridade.
Que os nossos corações sorriam nesse dia de comunhão, pois recebemos o maior presente de todos: a presença de Teu filho entre nós.
Com ele, aprendemos sobre a abnegação, sobre a misericórdia e principalmente sobre a fé.
Que a comunhão fraterna esteja presente entre nós e entre toda a humanidade no momento em que comemoramos essa data tão importante que é o nascimento de Jesus. Que Ele possa derramar sobre nós um bálsamo de paz e amor.
Que nós, neste dia tão especial, consigamos abrir nossos corações e nossas almas para receber toda essa paz e esse amor. Que a alegria também esteja presente. Alegria por estarmos todos unidos e pelo nascimento desse Espírito tão sábio e que, num ato de extremo amor, reencarnou para nos ensinar a viver! 
O Natal, acima de tudo é o nascer, o começar. E por que não o recomeçar? Faça com que nasçam em nossos corações os melhores sentimentos. Que possamos evoluir, aprender, ensinar e principalmente dividir com o próximo todas as graças que nos são dadas.
Hoje Pai, viemos te pedir paz. Paz não só para nós, mas para todos aqueles que desconhecem Teu nome e para todos aqueles que mesmo conhecendo, esquecem a grandeza do Teu amor. Pai, faça nascer no coração dos homens o verdadeiro sentimento da caridade e da bondade. Que possamos sempre ter paz, harmonia, concórdia e união. Nos inspire a luz sincera do perdão, o milagre do arrependimento, a virtude do reconhecimento de nossas faltas e principalmente, a vontade sincera de acertar, para que, a cada dia, através do nosso aprendizado e evolução, possamos estar mais próximos de TI. 
Pai, humildemente rogamos a TI vossas bênçãos de paz, fé e união para todas as criaturas. Que possamos ter saúde, paz, esperança, paciência, sabedoria, amor entre nós e em todos os estágios de nossas vidas! Que no Natal, os homens façam como as crianças; dêem-se as mãos e tentem promover a PAZ.
Amados irmãos, que como uma alma pura, não deixemos de rir sempre, que como filhos de DEUS, não deixemos de acreditar sempre, que como irmãos de JESUS, nunca percamos a esperança de que um dia um bom velhinho vai entrar pela "chaminé" da nossa vida e nos brindar com o melhor.
Que nesta noite verdadeira possamos acreditar que já temos tudo o que precisamos e que só é preciso enxergar com os olhos do coração.
Tenhamos todos um Natal de muita paz e amor! E que o próximo ano nos permita construir histórias ainda mais bonitas e sinceras com nossos irmãos, encarnados e desencarnados,  de modo a fazermos nosso trabalho evolutivo de forma ainda melhor. 
Pai, que sejamos dignos de tantas graças e que nunca esqueçamos de nosso objetivo principal: trabalhar para prestar caridade com muita garra e amor no coração. Obrigada por termos chegado até aqui. Nunca nos deixe cair em tentação! Mas se cairmos, nos ensine a levantar e a continuar nossa caminhada.

Que nós sejamos sempre dignos de Tua confiança e que mereçamos todas as bênçãos desse dia de luz.
Que a Paz permaneça com todos nós. A todos, um FELIZ NATAL, e que o ANO  que chega traga sempre novas oportunidades. Que nossa resposta ao Senhor seja sempre sim e as primeiras e últimas palavras sempre Muito Obrigado!!!!!!!
Feliz Natal a todos e um Ano Novo maravilhoso!

Família CEENC








PORQUE AMANHÃ É NATAL - ESPECIAL DE NATAL


Os dias se sucedem tão rápidos que nem nos damos conta... e amanhã já é Natal outra vez...
Você certamente teve problemas, trabalhou, sofreu, sorriu... como todo mundo.
Foram tantos os obstáculos... mas as forças foram ainda maiores, que permitiram superá-los.
Os desentendimentos familiares não foram poucos... mas a fraternidade logrou êxito.
Um filho querido talvez tenha adentrado pelos escuros caminhos das drogas, mas a coragem foi tanta que deu suporte nos momentos amargos.
O lar, tão tranquilo outrora, esteve ameaçado por terríveis tempestades... quase sucumbiu... mas os laços fortes do amor o sustentaram...
A separação promovida pela morte dilacerou as fibras mais sutis da alma... mas a fé em Deus e a certeza da Imortalidade conseguiram cicatrizá-las.
A enfermidade cruel nos visitou ou visitou os entes queridos, mas a confiança e a dedicação conseguiram afastá-la.
Enfim, foram tantas dores, tantos momentos amargos... mas, também, tantas alegrias, tantas vitórias...
Amanhã é Natal...
E Natal é tempo de fraternidade, perdão, solidariedade...
E porque amanhã é Natal, reunamo-nos todos os que lutamos juntos, na alegria e na dor, e permaneçamos unidos.
Olhemos para a mãezinha a quem chamamos o ano inteiro para pedir roupa limpa, comida, e digamos: Mãe, o que seria da minha vida sem você? Eu a amo, mãezinha querida.
Ao pai, a quem só nos dirigimos para pedir dinheiro, carro emprestado, cartão de crédito, falemos com carinho: Olá, velho! Apesar de não ter o costume de dizer eu o amo! tenho certeza de que minha vida não teria sentido sem você.
Acerquemo-nos daquele irmão com quem não conversamos, olhemos nos seus olhos e falemos:Olá, mano! Que bom ter você no meu caminho!
Aproximemo-nos daquele filho drogado, infeliz, atormentado, e falemos com ternura: Filho, você é a estrela da minha estrada! Sem você a vida não teria sentido...
E, porque amanhã é Natal... busquemos a serviçal doméstica, que chega ao nosso lar, muitas vezes, antes do sol nascer e só vai embora depois que o último filho chega do colégio, para lavar a louça e deixar tudo em ordem, e digamos: Minha amiga, precisamos uns dos outros. Que bom poder contar com você por mais um ano!
E, porque amanhã é Natal... olhemos para nosso patrão e falemos como ele tem sido importante em nossa vida, pois nos ajuda a ganhar o pão de cada dia.
E, porque amanhã é Natal... busquemos um lar pobre, onde a fome insiste em se fazer presente e a expulsemos, ainda que por um dia...
Levemos uma alimentação saborosa, temperada com o nosso mais puro afeto e permaneçamos por algum tempo junto aos habitantes, irmãos financeiramente mais carentes que nós.
*  *  *
E, porque amanhã é Natal... lembremo-nos do Aniversariante mais ilustre de que a Terra teve notícias...
Arrebentemos os laços de discórdia que, porventura, haja entre os familiares e amigos e abracemo-nos com ternura.
E, porque amanhã é Natal... mostremos ao Aniversariante que os Seus ensinos não foram em vão...
Roguemos que nos perdoe por tê-lO crucificado... e deixemos que Ele nos abrace e nos aconchegue junto ao Seu coração magnânimo...
Porque amanhã, amanhã é Natal...

Redação do Momento Espírita.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

O FOGO QUE O AQUECEU - ESPECIAL DE NATAL


Conta-se...
Que o fogo que aqueceu o menino
Ao lado da manjedoura,
Naquela noite inesquecível,
Sentiu-se profundamente honrado em servir, de forma tão especial... Mesmo que por tão pouco tempo.
Conta-se...
Que nem mesmo o fogo foi o mesmo,
Depois da chegada daquele menino.
*   *   *
Talvez a palavra servir ande desgastada.
Ou ainda, vague por aí nas brumas da incompreensão ou do preconceito, como tantas outras.
Falar em servir, falar em servo, remete-nos a sofrimento, a subserviência, a subjugação. E, disso tudo estamos enfadados realmente.
Porém, a palavra servir é uma das mais belas que existe, uma vez que descobrimos seu verdadeiro sentido. E, nada como o Natal para descobrir significados novos, ampliar horizontes, refazer caminhos e compreensões da vida.
Servir é devotar-se a algo, a alguém. Servir é entregar-se a uma causa, a um amor, a um ideal.
Assim, ser servo é ter sentido na vida, é ter noção clara para onde se quer seguir todos os dias.
Servir à família, servir ao casamento, servir à profissão, servir à comunidade...
Não se trata de se colocar abaixo, no sentido de se ter menos valor do que... Trata-se de doar-se inteiramente a algo em que se acredita.
Se percebermos bem, em a natureza tudo serve. E mais, serve feliz.
Notemos isso com atenção: na natureza tudo serve com alegria.
Quando encontrarmos, finalmente, nossa vocação maior de servir, servir por completo, descobriremos um caminho seguro para nossa própria felicidade.
Neste Natal, quando recordamos o nascimento do Mestre entre nós, e refletimos sobre tantas coisas, pensemos sobre isso.
Ele, o maior de todos, Espírito puro, foi capaz de dizer: Estou entre vós como quem serve.
Sim, Ele se comportou como grande servidor. Suas lições, Seus exemplos, Sua doação completa foram Sua forma sublime de nos servir, para que conhecêssemos o amor de uma forma nunca antes ensinada.
O espírito do Natal, então, é o espírito de servir, de dar, de dar-se, e não de receber.
Olhe para os lados e pergunte: De que forma posso servir melhor minha família? De que forma posso servir minha comunidade? Como posso ser um bom servidor de meu país?
Cada um de nós pode servir de muitas formas!
Não é necessário ter posses para servir. Servimos com palavras, com habilidades, com nosso tempo, com nosso sorriso, com nossa amizade.
Façamos algo diferente neste Natal, perguntando: De que forma posso servir? De que forma posso servir melhor?
A vida vai nos responder prontamente, pois o trabalho sempre aparece para aqueles que se predispõem a laborar pelo bem.
Dessa forma, estaremos figurando nas fileiras luminosas daqueles que trabalham pelo bem na Terra, daqueles que, incansáveis, vêm sendo os agentes transformadores do planeta.
Juntemo-nos a esses tantos servidores humildes, anônimos, do bem. Juntemo-nos aos servidores do Cristo, prestando-lhe a mais bela homenagem que se pode prestar em Seu aniversário.

Conta-se...
Que nem mesmo o fogo foi o mesmo,
Depois da chegada daquele menino.

Redação do Momento Espírita